Publicado em: 08 de novembro de 2019
Justiça e honestidade

Para: sexta-feira, 08 de novembro de 2019
Texto: Amós 5.18-24 

Em vez disso, quero que haja tanta justiça como as águas de uma enchente e que a honestidade seja como um rio que não para de correr.” (Am 5.24) 

Dois dos valores mais importantes para a constituição de uma sociedade equilibrada são, justamente, os dois mencionados por Deus por meio do profeta Amós: “Em vez disso, quero que haja tanta justiça como as águas de uma enchente e que a honestidade seja como um rio que não para de correr” (Am 5.24)Esses valores são a justiça e a honestidade. 

Em tempos em que denúncias de corrupção são praticamente diárias, em que revelações de novas falcatruas não param de acontecer, o povo mais humilde e desprotegido da sociedade sofre e anseia justamente por mais justiça e honestidade. Via de regra, é sobre esses mais humildes que recai o maior peso das injustiças e desonestidades. Na vida desses, a injustiça e a desonestidade se revelam em falta de oportunidades para suprir as necessidades básicas da vida, abreviando, entristecendo, apequenando e fazendo sofrer. 

O profeta é corajoso e faz a denúncia, apontando para a raiz do problema, que está no próprio ser humano. É por isso que essa é uma mensagem dura, que chama ao arrependimentoleva à reflexão, que faz rever práticas que perfeitamente podem estar patrocinando a injustiça e a desonestidade. O profeta nos faz pensar sobre vida, práticas e rituais religiosos, dizendo, entre outras coisas, que eles perdem o sentido e não têm valor algum se não estiverem acompanhados da justiça e da honestidade. Esta, não por acaso, é a mesma mensagem de Jesus. Ele também frequentemente apontava para a necessidade da coerência entre a prática religiosa e os valores adotados na vivência do dia a dia. Nesse sentido, Jesus se coloca como a própria força geradora dessa nova vivência, que é possível para aquele que nele crê e passa a fazer parte de seu Reino. 

Oremos: Senhor Deus, que eu tenha consciência das inúmeras situações de injustiças e desonestidades que me cercam. Que eu seja teu agente de consolo e reparo aos mais atingidos. Amém.